Apesar do caos deixado por Berg Lima, Kita começa a botar ordem na casa

Você pode até não simpatizar com o prefeito interino de Bayeux, mas é preciso reconhecer que em um mês Jefferson Kita já fez mais pela cidade do que Berg Lima em 6 meses. Kita pegou um verdadeiro abacaxi e em apenas 30 dias já pagou três folhas de aposentados e pensionistas que Berg tinha atrasado.

Kita também enxugou a folha de pagamento e exorcizou os fantasmas colocados pelo ex-presidiário. A cidade está mais limpa e já é possível notar uma melhora nos serviços de saúde.

O tempo ainda é curto para avaliar a gestão de Jefferson Kita, mas precisamos admitir que ele começou bem.

Patrimônio oficial de Ricardo Coutinho supera 6 milhões de reais e cresceu 650% enquanto governador

Enquanto a popularidade de Bolsonaro derrete na pandemia, governador João Azevedo tem aprovação de 67% dos paraibanos

O presidente Bolsonaro e o governador João Azevedo reagiram de forma distinta à pandemia do coronavírus. Enquanto o ‘líder’ do País negou a ciência e quis dar uma de curandeiro com a cloroquina, João Azevedo seguiu à risca os órgãos internacionais de saúde e garantiu o isolamento social na Paraíba.

O resultado para a imagem de ambos não poderia ser outro; enquanto a popularidade do presidente derrete mês a mês, as medidas adotadas por João Azevedo contam com a aprovação de 67,8% dos paraibanos.

Os dados são de uma pesquisa do Instituto Consult, em parceria com o Sistema Arapuan de Comunicação, divulgada na tarde desta quarta-feira (1º).

A grande maioria dos entrevistados, exatos 67,75%, aprovaram as decisões de João durante a crise. Enquanto 24,45% desaprovam e 7,8% afirmaram não ter uma opinião sobre o tema.

O maior nível de aprovação vem das regiões Agreste paraibano (77,7%), seguido por Borborema (75,4%) e Sertão paraibano (73,3%). Campina Grande  tem nível de aprovação de 69% na avaliação sobre as medidas de João, enquanto a Zona da Mata paraibana apresenta taxa de 60,4%.

Na capital, os números de aprovação chegam a 56,6%, e na Grande João Pessoa o número cai para 49,4%.

A pesquisa realizada entre os dias 18 e 22 de junho, ouviu 2 mil pessoas, em sete regiões do estado. Os resultados estão sujeitos a um erro máximo permissível de 2.0%, com confiabilidade de 95%.

Patrimônio oficial de Ricardo Coutinho supera 6 milhões de reais e cresceu 650% enquanto governador

POR UNANIMIDADE: TCE aprova contas de 2018 da gestão do prefeito Romero Rodrigues

O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB), por unanimidade, aprovou, na manhã desta quarta-feira, 2, a gestão 2018 do prefeito Romero Rodrigues em Campina Grande. A relatoria foi do conselheiro Antônio Gomes Vieira Filho.

Durante a sessão remota, foram apresentados os números da gestão do ano em julgamento, sendo destacados principalmente as aplicações dos recursos públicos municipais nas áreas de Educação e Saúde – que devem ser contemplados, respectivamente, com 25% e 15,% da receita líquida.

Ficou constatado que a Prefeitura não apenas cumpriu os índices, como foi além do exigido pela Constituição em relação a esses parâmetros exigidos pela Constituição.

Em seu voto, o conselheiro André Carlos destacou esse mérito da gestão municipal, a partir das informações repassadas ao Tribunal pela contadora Clair Leitão Martins Beltrão Bezerra de Melo.

Com a decisão desta quarta-feira, o órgão de controle externo já aprovou as contas 2013, 2014, 2016 2017 e 2018 de Romero Rodrigues.

No momento, encontra-se em tramitação na corte um recurso para que o Tribunal reconsidere a decisão de rejeição da avaliação de 2015, levando-se em conta que houve flagrante negligência por parte do contador à época responsável pelo repasse de informações à corte,, o que comprometeu uma avaliação correta das informações pelos conselheiros.

Patrimônio oficial de Ricardo Coutinho supera 6 milhões de reais e cresceu 650% enquanto governador

Patrimônio oficial de Ricardo Coutinho supera 6 milhões de reais e cresceu 650% enquanto governador

Preso na Operação Calvário sob a acusação de ser o chefe da organização criminosa que desviou mais de R$ 130 milhões apenas da Saúde, o ex-governador Ricardo Coutinho bem que poderia virar um youtuber de finanças para compartilhar o seu case de sucesso.

Para quem andava empurrando uma mobilete velha e sem gasolina na década de 90, juntar um patrimônio de R$ 6.050.000 (seis milhões e cinquenta mil reais) sem empreender um grande negócio é quase um milagre. Em 2010, o patrimônio de Ricardo Coutinho era de apenas R$ 800 mil, de acordo com os dados da declaração de bens ao Tribunal Regional Eleitoral. Ou seja, o patrimônio do socialista cresceu 650% no período em que ele foi governador:

O blog consultou alguns corretores de João Pessoa e Bananeiras para levantar os valores das propriedades [oficiais] de Ricardo Coutinho bloqueadas pela Justiça a pedido da força-tarefa da Operação Calvário.

A mansão do ex-governador no condomínio Bosque das Orquídeas, no Altiplano, foi avaliada em R$ 2 milhões. Um imóvel inalcançável para muitos servidores da UFPB, menos para Ricardo Coutinho. A propriedade possui academia, piscina e elevador:

A casa de esquina no Bairro dos Estados, que funciona como escritório e está localizada em área supervalorizada, ao lado da Vila Olímpica, está avaliada em R$ 900 mil:

Os dois terrenos na praia do Seixas foram avaliados em R$ 500 mil:

O terreno de 4 hectares no município de Bananeiras foi avaliado em R$ 150 mil. Há suspeitas de que o sítio abaixo, de 70 hectares, de propriedade de Coriolano Coutinho, o famoso Cori, seja na verdade do ex-governador preso na Operação Calvário. O sítio foi avaliado em R$ 1,7 milhões:

Ricardo Coutinho também teve 2,5 milhões bloqueados em sua previdência privada, pedido feito pela força-tarefa da Operação Calvário para futuro ressarcimento aos cofres públicos.

Os imóveis acima avaliados constam na decisão do juiz Wolfran Da Cunha Ramos, da 3° Vara Criminal, que bloqueou os bens de Ricardo Coutinho no último dia 29 de junho:

 

Aguinaldo reforça urgência na Reforma Tributária, com foco na transparência, mesmo durante a pandemia

Reuniões virtuais simultâneas, orientações de votos pela liderança da maioria, sessões remotas da Câmara, assim tem sido a rotina de agenda intensa do deputado federal Aguinaldo Ribeiro, do Progressistas, apesar da pandemia de covid-19.

Para Aguinaldo, as restrições a que todos estão sendo submetidos transformaram 2020 em um ano de superações, sobretudo porque o trabalho do poder público em prol dos brasileiros não pode parar.

Entre toda a demanda do exercício do mandato, Aguinaldo tem focado também na continuidade das discussões sobre a Reforma Tributária, para que sejam retomadas com urgência já que, se já era importante, agora passa a ser crucial em razão da ampliação do gasto fiscal que o Brasil teve por conta da pandemia.

“Se a reforma tributária já era importante do ponto de vista estrutural, do ponto de vista de modernização e de simplificação ela passa agora a ser crucial em razão da ampliação do gasto fiscal que nós tivemos por conta da pandemia. Ela passa a ser, de fato, uma reforma que não pode ser adiada e, sobretudo, tem a necessidade de equalizar essa relação de dívida com o PIB, que vai ficar intensa por causa do gasto público ampliado”, declarou.

O parlamentar paraibano ainda enfatizou que a aprovação da reforma tributária já é consenso entre União, estados e municípios que veem a referida reforma como a saída para superar a crise que se instalou no país.

“Estamos vivendo dias difíceis. Temos muitos desafios pela frente. Precisamos ter transparência no nosso sistema tributário, com uma legislação simples e neutra. Hoje, a estrutura tributária, que demanda muito tempo de uma empresa apenas para apurar esses impostos, faz com que o imposto seja um fator de competitividade dentro do ambiente de negócios, quando na verdade deveria ser neutro”, concluiu.