Familismo de Veneziano vai destruir o que resta do MDB; e Raniery já percebeu

Até as pedras sabem que o senador Veneziano nunca teve projeto político ou de grupo. Seu projeto é familiar e se resume a manter a família no poder. A mãe é senadora, o irmão ministro do TCU. E a esposa suplente na Câmara Federal. Não tem nem como Veneziano disfarçar.

Sob o comando de Veneziano há quase um ano, hoje o MDB não tem sequer uma calda de pré-candidatos para atingir o coeficiente eleitoral e garantir a reeleição do seu único parlamentar na ALPB, Raniery Paulino.

Raniery já está com um pé atrás com Veneziano, e comentou sobre sua possível candidatura ao governo:

“Na verdade, cria uma instabilidade que afugenta a possibilidade de novas filiações mirando candidaturas a deputado estadual e federal. Acho que é importante a definição partidária em relação a isso. Para que todos se sintam seguros para a tomada de decisão”.

Veneziano precisar controlar sua ambição. A obsessão em manter a família no poder acabou gerando um desconforto com o governador João Azevedo, que não aceitou antecipar a escolha da esposa do senador para a vaga de vice.

O malandro Ricardo Coutinho foi quem melhor definiu Veneziano:

Moro diz que Bolsonaro comemorou quando Lula foi solto

Sergio Moro afirmou nesta quinta-feira (2), em entrevista à Jovem Pan Paraná, que Jair Bolsonaro (foto) comemorou quando Lula foi solto em 2019.

A Justiça Federal determinou a soltura com base em uma mudança de entendimento do STF sobre a prisão após condenação em segunda instância. Segundo Moro, Bolsonaro não trabalhou para tentar reverter a decisão.

Moro voltou a dizer que, enquanto esteve no Ministério da Justiça, o presidente sabotou seu trabalho e o combate à corrupção.

“Ele não fez nada disso. Ao contrário, começou a sabotar o que eu fazia. Até que chegou em um momento que eu simplesmente saio [da pasta].”

O Antagonista