pmjp2

Os erros de Cartaxo/Edilma

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

Como explicar que um prefeito que chegou na eleição com 40% de ótimo e bom (tinha quase 60% antes da pandemia) não tenha conquistado 20% do eleitorado para a sua candidata chegar ao 2° turno? Uma sucessão de erros explica o fracasso do prefeito Luciano Cartaxo e de Edilma Freire.

Primeiro, Cartaxo abusou demais da sorte. Logo após a prisão de Ricardo Coutinho, em dezembro de 2019, o prefeito deveria ter lançado seu sucessor. O principal adversário estava bichado e seu partido tinha virado sinônimo de corrupção.

Segundo, a lambança em lançar vários pré-candidatos (Daniella Bandeira, Diego Tavares, Edilma e Socorro Gadelha), foi a maior burrice já vista na política de João Pessoa. Os três preteridos se sentiram traídos e foram à caça dos votos de Edilma, inclusive dentro da prefeitura. Cartaxo também poderia ter apoiado um aliado, a exemplo de Ruy Carneiro e Manoel Jr. Teriam ido ao 2° turno e como favoritos.

O terceiro erro foi ter escolhido uma ilustre desconhecida para ser vice de Edilma. Quem danado é Marina Feliciano no jogo do bicho? Até eu eu tenho mais votos que essa moça. E olha que nem voto eu tenho.

O quarto erro foi ter buscado uma aliança com Ricardo Coutinho, protagonista do maior escândalo de corrupção da Paraíba. Edilma teve sua imagem associada ao ex-presidiário e a atitude revelou que Cartaxo é capaz de vender a alma ao Diabo pelo poder.

O quinto erro foi a campanha propriamente dita. A comunicação não empolgou e a propaganda não era criativa, como a de Ruy, por exemplo. Edilma também não conseguiu se consolidar como a continuidade de uma gestão bem avaliada.

Mas ela não teve culpa. Era a pessoa errada no lugar errado. Edilma não passou confiança, e o eleitor enxergava nela apenas a cunhada do prefeito. Numa cidade do interior, Cartaxo teria logrado êxito. Aqui não.

Erraram até no jingle da campanha, onde se cantava “Edilma e Mariana, pro amor seguir em frente“. Eleitor não quer amor de político, quer trabalho. E por que colocar uma ilustre desconhecida no refrão de um jingle? Que loucura!

Enfim, esta sequência de erros explica o fiasco que foi a eleição de Edilma.

A candidata do prefeito teve 47 mil votos, e a prefeitura possui 20 mil comissionados e prestadores de serviços. Multiplicando este número por 2, é como se Edilma tivesse sido votada apenas pelos empregados da prefeitura.

Uma decepção.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Os dissidentes triunfaram

Os dissidentes triunfaram

Socorro Gadelha e Diego Tavares foram um dos primeiros a perceber que a candidatura da cunhada de Cartaxo – Edilma…
O futuro de Nilvan Ferreira

O futuro de Nilvan Ferreira

O comunicador Nilvan Ferreira já pode ser considerado um fenômeno na política paraibana. Com uma das menores coligações e sem…
Capitão Antônio se consolida como o nome mais forte da oposição em Bayeux

Capitão Antônio se consolida como o nome mais forte da oposição em Bayeux

Há eleições em que se ganha mesmo perdendo. É o exemplo de Capitão Antônio, em Bayeux, que alcançou o terceiro…
Um 2020 para João Azevedo não botar defeito

Um 2020 para João Azevedo não botar defeito

Com exceção da pandemia da Covid-19, 2020 foi um ano para o governador João Azevedo não botar defeito. Diferente do…

Siga-nos Facebook

pmjp2