1° SUPLENTE: Cleiton Roberto, a nova liderança do PSDB em João Pessoa

Muito provavelmente você ainda não tinha ouvido falar de Cleiton Roberto, uma das surpresas da eleição à Câmara Municipal de João Pessoa. Com poucos recursos e disputando pela primeira vez, Cleiton conquistou 2.005 votos, tornando-se o 1° suplente do PSDB.

Servidor público do H.U, Cleiton começou na política através do movimento estudantil secundarista (Liceu) e universitário (UFPB). Seu principal reduto é o Castelo Branco, onde obteve sua maior votação.

Pitbull de Berg Lima só conquista 565 votos para vereador de Bayeux; esposa também perde em Caldas Brandão

Não teve comemoração na noite do último domingo para o casal Martins. Considerado o pitbull de Berg Lima na Câmara Municipal, o ex-vereador e vice-prefeito de Bayeux, Adriano Martins, não conseguiu voltar ao legislativo, obteve apenas 565 votos. Sua esposa também perdeu a eleição para a prefeitura de Caldas Brandão; Daniela Martins ficou em terceiro lugar com 21%:

Três dias após as eleições, prefeita de Bayeux exonera quase 500 cargos comissionados

A eleição em Bayeux terminou e agora é a hora de demitir os cabos eleitorais. A prefeita Luciene de Fofinho acaba de assinar um decreto com a exoneração de todos os cargos comissionados, cerca de 500.

Na campanha, Luciene usou e abusou da máquina pública, realizando contratações em período vedado pela legislação eleitoral e utilizando ações sociais para captar votos. Diante de tanto desmantelo, Luciene virou alvo de 6 AIJE’s (Ação de Investigação Judicial Eleitoral), duas delas propostas pelo Ministério Público.

Numa das ações, Fofinha é acusada de abuso de poder econômico ao realizar contratação durante o período eleitoral:

Diz um trecho da AIJE do Ministério Público:

“Percebe-se que em agosto o município contava com 288 servidores comissionados. A remuneração destes servidores orçou em R$ 462.481,09. Já em setembro, o número destes servidores aumentou para 410 com remuneração calculada em R$ 830.530,35. Foi a maior folha de pagamento de cargos comissionados da história de Bayeux. Um aumento equivalente a 42,36%”.

Com a demissão em massa logo após a eleição, a prefeita passou um recibo e tanto…

Os erros de Cartaxo/Edilma

Como explicar que um prefeito que chegou na eleição com 40% de ótimo e bom (tinha quase 60% antes da pandemia) não tenha conquistado 20% do eleitorado para a sua candidata chegar ao 2° turno? Uma sucessão de erros explica o fracasso do prefeito Luciano Cartaxo e de Edilma Freire.

Primeiro, Cartaxo abusou demais da sorte. Logo após a prisão de Ricardo Coutinho, em dezembro de 2019, o prefeito deveria ter lançado seu sucessor. O principal adversário estava bichado e seu partido tinha virado sinônimo de corrupção.

Segundo, a lambança em lançar vários pré-candidatos (Daniella Bandeira, Diego Tavares, Edilma e Socorro Gadelha), foi a maior burrice já vista na política de João Pessoa. Os três preteridos se sentiram traídos e foram à caça dos votos de Edilma, inclusive dentro da prefeitura. Cartaxo também poderia ter apoiado um aliado, a exemplo de Ruy Carneiro e Manoel Jr. Teriam ido ao 2° turno e como favoritos.

O terceiro erro foi ter escolhido uma ilustre desconhecida para ser vice de Edilma. Quem danado é Marina Feliciano no jogo do bicho? Até eu eu tenho mais votos que essa moça. E olha que nem voto eu tenho.

O quarto erro foi ter buscado uma aliança com Ricardo Coutinho, protagonista do maior escândalo de corrupção da Paraíba. Edilma teve sua imagem associada ao ex-presidiário e a atitude revelou que Cartaxo é capaz de vender a alma ao Diabo pelo poder.

O quinto erro foi a campanha propriamente dita. A comunicação não empolgou e a propaganda não era criativa, como a de Ruy, por exemplo. Edilma também não conseguiu se consolidar como a continuidade de uma gestão bem avaliada.

Mas ela não teve culpa. Era a pessoa errada no lugar errado. Edilma não passou confiança, e o eleitor enxergava nela apenas a cunhada do prefeito. Numa cidade do interior, Cartaxo teria logrado êxito. Aqui não.

Erraram até no jingle da campanha, onde se cantava “Edilma e Mariana, pro amor seguir em frente“. Eleitor não quer amor de político, quer trabalho. E por que colocar uma ilustre desconhecida no refrão de um jingle? Que loucura!

Enfim, esta sequência de erros explica o fiasco que foi a eleição de Edilma.

A candidata do prefeito teve 47 mil votos, e a prefeitura possui 20 mil comissionados e prestadores de serviços. Multiplicando este número por 2, é como se Edilma tivesse sido votada apenas pelos empregados da prefeitura.

Uma decepção.

Ruy Carneiro anuncia independência no segundo turno: “Minha missão é fiscalizar a próxima gestão, seja ela qual for”

De maneira enfática, o deputado federal Ruy Carneiro, candidato a prefeito de João Pessoa no primeiro turno, anunciou nesta quarta-feira (18) uma posição de independência na disputa entre os adversários Cícero Lucena e Nilvan Ferreira. Ruy ficou a apenas 885 votos de chegar ao segundo turno.

“Recebi de forma muito clara o recado de parte importante da população de João Pessoa. A população não quer, de forma alguma, minha adesão a nenhuma das duas candidaturas em disputa. Minha missão a partir de agora será a de exercer, com independência e firmeza, o papel de acompanhamento e de fiscalização da próxima gestão municipal, independente de quem seja o gestor, sempre em favor dos interesses da população”, afirma.

Ruy diz que vai apoiar o que for importante para João Pessoa e defender a implementação de todos os projetos que apresentou em seu programa de governo no primeiro turno. “Vou inclusive destinar emendas parlamentares para concretizar as propostas que apresentei durante nossa campanha, a exemplo das ampliações no Laureano, Padre Zé e Hospital São Vicente e a construção do primeiro hospital veterinário público de João Pessoa”, disse.

Para Ruy é fundamental o papel de independência para evitar que todas as lideranças políticas do Estado estejam ligadas ao governo da Paraíba ou à Prefeitura da Capital.

“Alguém tem que ter independência para cobrar, para exigir mudanças, para apontar os erros e principalmente para indicar caminhos diferentes daqueles que só interessam a quem apoia ou ocupa cargos na gestão”, acrescenta. “Eu reafirmo o meu compromisso com João Pessoa e assumo a missão que recebi das urnas de defensor dos interesses da população”, ressalta.

Na opinião de Ruy, é preciso defender um conjunto de medidas fundamentais ao futuro da Capital. São elas:

1. Garantir imediatamente um plano de parcerias e investimentos nos hospitais filantrópicos e principais entidades sociais da cidade para ampliação dos serviços prestados às famílias mais vulneráveis;

2. A apresentação de um plano específico de apoio às 63 mil famílias que sobrevivem com menos de meio salário mínimo por mês e aos 38 mil jovens que nem estudam e nem trabalham;

3. A escolha de um secretariado formado por profissionais técnicos, qualificados e experientes, sobretudo na Saúde, Educação, Planejamento, Finanças, Receita, Desenvolvimento Urbano, Mobilidade e Turismo;

4. O fortalecimento de todos os mecanismos e estruturas de fiscalização e controle, principalmente a Controladoria Geral e Procuradoria Geral do Município;

5. Dar transparência aos números da administração municipal e tornar públicas, prioritariamente por meio de transmissão ao vivo, dos pregões, leilões e licitações de compras de materiais e serviços;

6. Fortalecer a ouvidoria e promover a participação direta da população, sempre respeitando a sua diversidade, e de entidades da sociedade civil no planejamento, execução, monitoramento e avaliação dos programas e projetos da Prefeitura.

Aliado de Bolsonaro, Cabo Gilberto anuncia apoio ao candidato Nilvan Ferreira

O deputado estadual, Cabo Gilberto (PSL), um dos principais cabos eleitorais do presidente Jair Bolsonaro na Paraíba e coordenador de campanha do candidato que ficou em 4º lugar no primeiro turno das eleições para prefeito de João Pessoa, Wallber Virgolino (Patriota), anunciou nesta quarta-feira (18), apoio a candidatura de Nilvan Ferreira (MDB) e Major Milanez (MDB) no segundo turno das eleições municipais.

Cabo Gilberto decidiu apoiar a candidatura de Nilvan no segundo turno por identificação, segundo ele, com o projeto político de Ferreira. “Estivemos com Walber no primeiro turno, mas como ele não obteve êxito, decidimos aderir ao projeto de Nilvan. Eles aceitaram as nossas pautas, olhar para as pessoas, principalmente dos bairros da zona sul. Então é claro que vamos apoiar Nilvan Ferreira e Major Milanez”, exaltou o deputado.

O apoio do cabo Gilberto foi recebido com entusiasmo por Nilvan Ferreira. “Gilberto é um dos deputados mais atuantes da Assembleia Legislativa, um deputado de postura. Aqui foi feito um acordo de homens de bem. Não tem negociata nem conchavos. A gente fez uma aliança de princípios e do que João Pessoa precisa para avançar, pensando no futuro das pessoas”, destacou o candidato.