pmjp 1

Reforma da previdência de Bolsonaro quer desatrelar benefícios de idosos e deficientes de baixa renda do salário mínimo e pagar R$ 500

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on pinterest
Share on whatsapp

A Reforma da Previdência proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, acende um sinal de alerta para a população brasileira, pois  aumenta o tempo de contribuição e a idade minima para aposentadoria, além de igualar a idade mínima de homens e mulheres, deixando de levar em considerações as diferentes expectativas de vida no campo, dos trabalhadores mais pobres, que têm menos acesso a serviços de alta qualidade na área de saúde, e mulheres, que já têm dupla jornada de trabalho.

A proposta prevê idade mínima de 65 para homens e mulheres se aposentarem e é tão injusta que até o vice-presidente, Hamilton Mourão, está contra; o tempo de 40 anos de contribuição é cruel; e a combinação desses dois pré-requisitos tornará o acesso à aposentadoria integral quase impossível, porque serão raras as pessoas que os atingirão. A massa das aposentadorias será com o benefício abaixo do salário mínimo, de apenas R$ 500; Será um verdadeiro extermínio de pobres e idosos. O Brasil estará no caminho do Chile, onde há uma epidemia de suicídios de idosos.

Atualmente, existem duas formas de se aposentar no Brasil. Uma por idade, com a exigência de ter 65 anos (homens) e 60 anos (mulheres), com no mínimo 15 anos de contribuição. A outra é por tempo de contribuição, quando não se exige idade mínima. Neste caso são necessários 35 anos (homens) e 30 anos (mulheres) de pagamentos ao INSS. De acordo com a proposta de Guedes, a nova idade valeria depois de um período de transição que pode chegar a 19 anos – dois anos a mais do que o previsto na reforma proposta pelo governo anterior, de Michel Temer.

A equipe de Guedes prevê uma economia de até R$ 1,3 trilhão em 10 anos nas despesas do governo, se a reforma for aprovada – dinheiro que será aplicado no pagamento de juros da dívida pública ao longo dos anos -que favorece os rentistas, o topo da pirâmide social brasileira, que detêm os títulos do governo.

A proposta de igualar a idade (65 anos) para homens e mulheres se aposentarem não tem consenso nem dentro do próprio governo. O vice-presidente Hamilton Mourão se posicionou contra a idade igualitária (65 anos) para homens e mulheres se aposentarem. “O presidente não é favorável a igualar homem e mulher na idade mínima. Eu também não”, disse ele, de acordo com reportagem do jornal O Globo.

A proposta de capitalização não foi bem sucedida no Chile, onde a proposta levou aposentados à pobreza. Segundo este modelo, o trabalhador terá de fazer uma espécie de poupança e abrir uma conta individual para depositar um percentual do salário todos os meses com o objetivo de bancar seus benefícios no futuro.

Comentar com Facebook

Comentários

Notícias relacionadas
Mandetta já admite saída: "Não sei até quando ficarei ministro"

Mandetta já admite saída: "Não sei até quando ficarei ministro"

Em reunião com integrantes do Ministério Público, que possivelmente foi transmitida por engano nesta segunda-feira (6), o Mnistro da Saúde,…
O 'migué' de Tovar no Correio Debate

O 'migué' de Tovar no Correio Debate

Ao ser questionado sobre a sua pré-candidatura após a filiação de Bruno Cunha Lima ao PSD, o deputado estadual Tovar…
Secretário Geral do PRTB comemora crescimento da legenda na Capital

Secretário Geral do PRTB comemora crescimento da legenda na Capital

O secretário-geral do PRTB em João Pessoa, Jair Soares, está comemorado o crescimento do partido para a disputa eleitoral deste…
Deputado Julian Lemos também é vítima de fake news sobre recurso do fundo eleitoral para combater o coronavírus

Deputado Julian Lemos também é vítima de fake news sobre recurso do fundo eleitoral para combater o coronavírus

A fábrica de fake news continua a todo vapor para desinformar a população, ainda mais agora durante a pandemia do…

Siga-nos Facebook

Santa Rita