Metido a republicano, Ricardo Coutinho emprega quase toda a família em órgãos públicos

A família do ex-governador Ricardo Coutinho vive no pleno emprego, claro. O político mais falastrão da Paraíba gosta muito de usar o termo “republicano”. É quase um mantra nos discursos de RC, mas só no discurso. Porque na prática a coisa é bem diferente.

Segundo o historiador José Murilo de Carvalho, ser republicano é “saber que o Estado não é uma extensão da família, um clube de amigos, um grupo de companheiros. É repudir práticas patrimonialistas, clientelistas, familistas, paternalistas, nepotistas, corporativistas”.

Agora aprende, Ricardo. Porque pendurar toda a família em órgãos públicos é o inverso do republicanismo.

Nas suas rede sociais, o deputado estadual Walber Virgulino criticou a prática “familista” de Ricardo Coutinho:

“Um irmão vai para o gabinete do deputado Gervásio Maia, em Brasília, vai dar expediente ? Uma irmã nomeada para a Fundação Casa de José Américo de Almeida. Um filho e um sobrinho no Sebrae/PB. Outro sobrinho, por afinidade (casado com uma sobrinha, na PBPrev), sobrinho mantendo relações com o Estado, cunhada atuando como superintendente de Organização Social contratada pelo Estado, isso é o que sabemos. É o que podemos chamar da Grande Família”.

E ainda tem mais.

Uma irmã de Ricardo é diretora na Assembleia Legislativa e outra trabalha atualmente na prefeitura do Conde, com passagens pelas prefeituras de Bayeux e João Pessoa.

É uma família que tem apego à coisa pública…

Né não?

Ex-prefeito interino de Bayeux diz que “abasteceu” vereadores e entregou Saúde e Educação de “porteira fechada” para Ricardo Coutinho

O vereador Mauri Batista, o Noquinha (PSL), teve um ataque de sinceridade durante discurso na Câmara de Bayeux. O pronunciamento foi proferido no dia 3 de janeiro, na tribuna da Casa, mas só agora veio à tona. Revoltado com as críticas dos pares, referentes ao período em que ele comandou a prefeitura, soltou o verbo contra os colegas. Entre outras coisas, confessou que distribuiu largamente cargos para familiares de vereadores aliados. Fez o mesmo com o governador ex-Ricardo Coutinho (PSB). A estratégia era conseguir os apoios necessários para cassar o mandato do vice-prefeito Luiz Antônio (PSDB).

O ex-vice-prefeito foi afastado do cargo por decisão da Justiça no dia 21 de março do ano passado. A decisão foi do desembargador Arnóbio Alves Teodósio. Pesa contra ele acusações de tentativa de extorsão de um empresário. O vice ocupava o cargo de prefeito desde o afastamento do prefeito Berg Lima (sem partido) em julho de 2017, que voltou ao cargo no fim do ano passado. Do afastamento à cassação do mandato, passaram-se menos de duas semanas. Por maioria qualificada, o tucano teve o mandato cassado no dia 4 de abril. O fato abriu caminho para Noquinha prolongar a interinidade dele.

O caso voltou à pauta das discussões nesta semana. Na última segunda-feira (4), houve uma audiência na 43ª vara, em Bayeux. Luiz Antônio entrou com ação na qual pede a restituição do cargo. Alega manobra política e compra de votos. Durante depoimento, Noquinha confirmou tudo o que havia dito antes em relação à distribuição de cargos para familiares de vereadores. As benesses, ele reforça, fizeram com que até os problemas mais graves que ocorreram na cidade, inclusive o do lixo, fossem ignorados pelos colegas. As críticas vieram depois que ele deixou o cargo.

Cargos indicados por Ricardo

Noquinha também confessou que foi ao ex-governador Ricardo Coutinho em busca de apoio. Queria do socialista a fidelidade do PSB na cidade. A reunião contou com a participação, também, do secretário de Planejamento e Gestão, Waldson de Souza. O apoio foi franqueado, mas a contrapartida foi a entrega das pastas de Saúde e Educação. Foi cobrada autonomia para todas as decisões. Para a Saúde, o indicado foi o médico Edvan Benevides. Para quem não lembra, ele comandou o Hospital de Trauma entre 2011 e 2016. Este período é justamente o que a instituição passou a ser administrada pela Cruz Vermelha Brasileira.

A organização social, atualmente, está implicada em várias denúncias. Toda a cúpula da instituição está presa em meio a denúncias de superfaturamento e, inclusive, de doações para campanhas eleitorais. Os ministérios públicos da Paraíba e o do Rio de Janeiro apontam doações de campanha para Ricardo Coutinho e João Azevêdo. “Eu errei quando entreguei as secretarias sem que eu tivesse autonomia sobre elas. Não faria isso de novo”, alegou Noquinha.

O secretário Waldson de Souza foi convocado para uma audiência no dia 14 de março, quando deverá responder às acusações.

Blog do Suetoni