Berg Lima vai perder salário de R$ 20 mil e voltará a receber R$ 2.526

O prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, recebia o terceiro maior salário entre os prefeitos da Paraíba, R$ 20.257,00, quase o mesmo valor recebido por Luciano Cartaxo, prefeito da Capital. Mas achou que estava recebendo pouco e resolveu meter a mão no que não era dele.

Além de passar vergonha em cadeia nacional e ficar um bom tempo atrás da grades, com a cassação iminente, Berg também perderá o salário de prefeito e voltará a receber R$ 2.526,00 como assistente de alunos no IFPB:

Procuramos a prefeitura de Bayeux para informar se Berg Lima continua recebendo integralmente o salário de prefeito ou apenas o proporcional de julho, mas não obtivemos resposta.

Maranhão comunica ao PMDB que não será candidato em 2018

O vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (PMDB), afirmou na manhã desta segunda-feira (14), em entrevista à MaisTV, canal de vídeo do Portal MaisPB, que o senador José Maranhão, presidente da executiva estadual do PMDB, não sairá candidato ao governo em 2018. Segundo Manoel, essa teria sido uma decisão comunicada ao partido pelo próprio Maranhão.

MaisPB

INSEGURANÇA: ‘Piratas do asfalto’ aterrorizam BRs

Matéria do Correio da Paraíba:

Motoristas que cruzam as rodovias federais e estaduais da Paraíba têm lidado com um problema cada vez mais comum: os assaltos e tentativas de assaltos nas BRs. Em números, é possível constatar o aumento de quase 36% nas ações desses ‘piratas do asfalto’, que saqueiam caminhões e veículos de passeio, quando comparados os primeiros
semestres de 2016 e 2017.

Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), ano passado foram 39 ocorrências,
contra as 53 no mesmo período deste ano. O principal aumento foi no roubo a caminhões, 127,7% a mais quando se compara o primeiro semestre de 2016 e 2017, saltando de 11 para 25. O número já é quase o mesmo de todo ano passado, quando foram registrados
30 assaltos.

Aos que trafegam pelas rodovias paraibanas, atenção e cuidado se tornaram elementos básicos de segurança, é o que destaca o caminhoneiro Antônio Pereira da Silva, que há mais de 22 anos cruza o Estado à trabalho. “A gente vive com medo. Parar a noite nem pensar, porque a gente vive vulnerável. Eu e outros caminhoneiros temos feito ‘caravanas’,
andamos em grupo e só paramos quando estamos juntos”.

O caminhoneiro nunca foi assaltado, mas já sofreu tentativas por diversas vezes. “Até hoje meu caminhão tem a marca de uma pedra que atiraram no meu carro. Estava em trânsito e jogaram uma pedra grande para quebrar o retrovisor e me atingir. Por sorte a pedra bateu na porta, mas o que queriam é que causasse um acidente para eu parar o caminhão.

Outros amigos não tiveram a mesma sorte e já foram assaltados várias vezes”, disse.
Um dos trechos mais perigosos na Paraíba fica no quilômetro 62 da BR-101, na estrada para a cidade de Mamanguape, Litoral Norte. Ali, rotineiramente há casos de assaltos ou tentativa de assalto aos condutores que trafegam na região.

Os crimes quase sempre são ousados e revelam a despreocupação de alguns desses criminosos. Em maio, por exemplo, motoristas foram assaltados em barricadas montadas na ladeira próxima ao Rio Jacuípe. Por duas vezes no mesmo dia. Na primeira, os assaltantes bloquearam a estrada com um caminhão roubado. Quando os motoristas se aproximavam e reduziam a velocidade, eram assaltados.

No mesmo dia, outra barricada foi montada com galhos e objetos cortantes, obrigando mais uma vez os condutores a parar os veículos, que eram assaltados em seguida.

DEPUTADO ESTADUAL: Promessa de renovação, Henrique Maroja lidera enquete em Santa Rita com 40% dos votos

Pré-candidato a deputado estadual, o jovem empresário Henrique Maroja confirmou o favoritismo em Santa Rita e lidera a enquete realizada pelo Polítika nos dias 12 e 13 de agosto. Henrique obteve 40,4%, o que representa 430 votos. Em segundo lugar ficou Edjane Panta, com 16,7% (171 votos), seguido do Professor Valdir com 15.8% (169 votos) e Adones Junior com 15.4% (160 votos).

O deputado estadual Zé Paulo ficou em quinto lugar e mais uma vez confirmou a sua grande rejeição em Santa Rita, obtendo apenas 5.2%, representando 56 votos. Em outra enquete realizada aqui, 80% da população de Santa Rita acha que Zé Paulo não merece ser reeleito deputado estadual.

Como profissional de marketing político, ressalto que a enquete divulgada não tem valor científico, já que não é possível controlar as variáveis de sexo, idade e localidade; como nas pesquisas quantitativas. Porém, a amostra de 1.064 votos é bastante representativa, uma vez que uma pesquisa tradicional coleta no máximo 450 entrevistas numa cidade do tamanho de Santa Rita.

Entretanto, a enquete serviu para revelar duas coisas: quem tem mais militância nas redes sociais e capacidade de mobilização.

Algumas pessoas conseguiram votar mais de uma vez por IP. Talvez pela lentidão da internet ou tentativa de fraude ao alterar o IP para burlar a enquete. Contudo, tais votos ( 31.4%) foram rejeitados automaticamente pelo próprio site, conforme imagens a seguir:

A julgar pela bancada evangélica que votou com Temer, Deus mudou de lado

A julgar pela alegação dos deputados que votaram a favor de Temer, Deus trocou de lado. Ele que sempre esteve ao lado dos oprimidos e injustiçados, agora cerrou fileira com o que há de mais vil na classe dominante do país.

Ao serem questionados por jornalistas por terem votado contra a investigação que poderia provocar o impeachment de Temer, os parlamentares responderam em uníssono que foram guiados por Deus. Resta saber a que deus estariam se referindo.

Certamente, não o Deus dos profetas hebreus, tampouco o revelado nas palavras de Jesus ecoadas pelas praias da Galileia. Se o seu livro de cabeceira fosse, de fato, a Bíblia Sagrada em vez de “O Príncipe” de Maquiavel, eles teriam lido pérolas como esta:

“Até quando defendereis os injustos e tomareis partido ao lado dos ímpios? Defendei a causa do fraco e do órfão; protegei os direitos do pobre e do oprimido. Livrai o fraco e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios” (Salmos 82:2-4).

Se mesmo assim se mantivessem em suas veredas tortuosas, talvez acusassem o profeta Isaías de esquerdopata ao se depararem com mais esta pérola:

“Ai dos que decretam leis injustas, e dos escrivãs que escrevem perversidades, para privar da justiça os pobres, e para arrebatar o direito dos aflitos do meu povo, despojando as viúvas e roubando os órfãos” (Isaías 10:1-2).

De duas, uma. Ou Deus mudou de lado, traindo Sua própria Palavra, ou esses nobres deputados não entenderam o sentido real do Evangelho. Fico com a segunda hipótese.

Para os tais que traem sua fé em nome da conveniência e dos mais escusos interesses, deixo a célebre advertência profética:

“Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem da escuridade luz, e da luz escuridade, que põem o amargo por doce, e o doce por amargo (…) que absolvem o ímpio por suborno e ao justo negam justiça” (Isaías 5:20,23).

Coloquem suas barbas de molho! Fujam para as montanhas! Em breve o juízo de Deus os alcançará! Não esperem que caia fogo do céu para consumi-los. Vocês já se queimaram por si mesmos.

Nem o diabo seria tão competente. O verme da hipocrisia consumirá suas entranhas como fizeram com Herodes. Suas mazelas serão expostas à luz do dia e os mesmos que os elegeram hão de abominá-los e exorcizá-los da vida pública. Queira Deus…

E jamais se esqueçam de que de acordo com o livro de Apocalipse, entre os que ficarão de fora da nova civilização idealizada por Deus estarão os que amam e praticam a mentira (Apocalipse 22:15).

Portanto, fora Temer.

Hermes Fernandes

Bolsonaro é “despreparado” para governar o Brasil, diz Ciro Gomes

Pré-candidato ao Palácio do Planalto pelo PDT, o ex-ministro Ciro Gomes desqualificou a provável candidatura presidencial de Jair Bolsonaro em 2018, em entrevista ao programa Pânico da Rádio Jovem Pan. O político cearense disse que o deputado fluminense, que vai trocar o PSC pelo PEN, é despreparado para ocupar a Presidência da República.

Ciro tentava explicar as razões por trás do “fenômeno” Bolsonaro, que só faz crescer nas pesquisas de intenção de voto, quando fez uma provocação ao futuro adversário nas eleições do ano que vem. Segundo o pedetista, a popularidade do deputado é fruto da “simplificação com que ele (Bolsonaro) toscamente responde a duas grandes questões da maioria da sociedade, que está desorientada e com medo: a violência e a corrupção”, afirmou. “Só que esses dois problemas não são resolvidos a golpe de frase feita.”

Ciro continuou: “Por que ele não vai ser prefeito do Rio de Janeiro? Faz uma experiência lá, tenta controlar a esculhambação, a roubalheira na cidade (…), para poder entender que a coisa não é simples. Se o cara chega na Presidência da República deixando o povo acreditar que com duas ou três frases – ‘bandido bom é bandido morto’; ‘a ladroeira vai acabar porque comigo não tem’ – vai resolver o problema da violência é mentira ou despreparo e, no caso dele, é mais despreparo do que mentira.”

Indagado sobre em quem votaria caso Bolsonaro e Lula fossem para o segundo turno nas eleições de 2018, Ciro disse que, apesar de todas as denúncias que pesam sobre o ex-presidente, ainda preferiria o petista. “Tapo o nariz e voto no Lula”, exclamou, afirmando que o deputado criou um “personagem” de si mesmo.

Apesar das críticas, a aspiração política de Bolsonaro “presta um bom serviço ao país” e é uma ameaça ao PSDB, segundo o pedetista. “Ele é um personagem que, do meu ponto de vista, está prestando um bom serviço ao país neste momento porque está destruindo a fraude que o PSDB representa. (Bolsonaro) tirou todo esse eleitorado de direita, mais reativo, xenófobo, racista e elitista que existe no país e que votava escondido, do armário, no PSDB. O prejuízo que ele está causando hoje ao PSDB é mortal”, avaliou.

 

IDEB CONFIRMA: Educação pública melhorou nos governos Cássio e piorou com Ricardo Coutinho

A boa avaliação do Governo Ricardo Coutinho não vem se traduzindo em resultados práticos quando o tema é educação pública. Famoso por suas obras de cal e pedra, Ricardo Coutinho negligenciou a qualidade do ensino e fechou 20% das escolas estaduais apenas no seu primeiro mandato.

De acordo com os dados no Ideb – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, a Paraíba ultrapassou a meta projetada para 8ª série / 9º ano, entre 2007 e 2009, nos governos de Cássio Cunha Lima. Mas entre 2011 e 2015, com Ricardo, ficou abaixo da meta, como mostra imagem a seguir, onde os resultados em verde referem-se ao Ideb atingido:

No Ideb da 3ª série do ensino médio a mesma coisa; entre 2007 a 2011 a Paraíba ultrapassou a meta projetada. Mas entre 2013 e 2015, nos governo de Ricardo Coutinho, o Ideb ficou abaixo da meta:

O que é o Ideb

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado em 2007 e reúne, em um só indicador, os resultados de dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: o fluxo escolar e as médias de desempenho nas avaliações.

Ele é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e das médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) – para as unidades da federação e para o país, e a Prova Brasil – para os municípios.

Para que serve

O Ideb agrega ao enfoque pedagógico dos resultados das avaliações em larga escala do Inep a possibilidade de resultados sintéticos, facilmente assimiláveis, e que permitem traçar metas de qualidade educacional para os sistemas. O índice varia de zero a 10 e a combinação entre fluxo e aprendizagem tem o mérito de equilibrar as duas dimensões: se um sistema de ensino retiver seus alunos para obter resultados de melhor qualidade no Saeb ou Prova Brasil, o fator fluxo será alterado, indicando a necessidade de melhoria do sistema. Se, ao contrário, o sistema apressar a aprovação do aluno sem qualidade, o resultado das avaliações indicará igualmente a necessidade de melhoria do sistema.

O Ideb também é importante por ser condutor de política pública em prol da qualidade da educação. É a ferramenta para acompanhamento das metas de qualidade do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) para a educação básica, que tem estabelecido, como meta, que em 2022 o Ideb do Brasil seja 6,0 – média que corresponde a um sistema educacional de qualidade comparável a dos países desenvolvidos.

Novo aliado de Ricardo Coutinho já o processou mais de 40 vezes

Cristão novo no jardim dos girassóis, o deputado estadual Aníbal Marcolino já foi um dos opositores mais ferrenhos do governador Ricardo Coutinho. Mas como na Paraíba o boi já voou há muito tempo, pouco gente se impressiona com o vai e vem de muitos políticos.

As informações são do jornalista Thiago Morais:

Em 16 de maio de 2008, o então prefeito da cidade de João Pessoa, Ricardo Coutinho (PSB), debochava e fazia pouco sobre especulações que tratavam de uma possível adesão do então vereador oposicionista, Aníbal Marcolino, ao projeto político do grupo girassol. O namoro não deu certo.

Menos de dois anos depois, em 11 de janeiro de 2010, entre inúmeras, incontáveis críticas e denúncias ao socialista, Aníbal Marcolino anunciava à imprensa o ingresso de mais de 40 ações contra o então prefeito Ricardo Coutinho. Ele se dizia horrorizado com os desmandos do então chefe do executivo municipal, denunciava aumento da folha de prestadores de serviços do município e contratações de críticos da gestão, numa atitude que mais pareciam um “cala-te boca” do então prefeito.

“Vamos entrar com, no mínimo, 40 ações para que o prefeito possa se defender e explicar quais foram os critérios utilizados para fazer essas contratações e por que a folha teve um acréscimo tão grande de janeiro a outubro de 2009”, declarou, à época, Aníbal, em entrevista  ao Correio Debate.

Hoje, agosto de 2017, fora do cenário político há muitos anos, Aníbal ensaia retorno e, pasmem, anunciado como o mais novo aliado do agora govenador Ricardo Coutinho na Assembleia Legislativa.

O balanço da história nos conduz a uma conclusão que não é nenhuma novidade: nossos políticos não pensam no povo. Há sinais de esperança aqui e ali, mas a prioridade dos políticos está mesmo em suas jogadas em prol de seus próprios interesses. Não faltam exemplos: poderia citar Hervázio Bezerra, um dos mais atuantes e combativos vereadores que a Paraíba já teve, que denunciava na Câmara Municipal de João Pessoa a gestão do então prefeito Ricardo Coutinho, a exemplo dos diversos pronunciamentos sobre suspeita da indústria de multas da Capital e, atualmente (2017), é líder do governo da Assembleia Legislativa. Lembro-me também de Raoni Mendes que, recentemente, também através de articulação do governador Ricardo Coutinho, ocupou cadeira na Assembleia Legislativa e, atualmente, é secretário executivo do desenvolvimento econômico. 

Enquanto todas estas questões ocupam o dia a dia dos políticos, os problemas da Paraíba se agravam. A falta de coesão e unidade leva o estado a uma situação cada vez pior. A regra que vale é ‘politicagem primeiro, e o futuro do povo, se der tempo, depois’.

Vale a pena ver o vídeo e sentir-se indignado com as movimentações políticas de nossa Paraíba boa!

Governador que mais aumentou impostos paga o 2° pior salário do Brasil à Polícia Militar

A alta carga tributária da Paraíba pode servir para muitas coisas, menos para a valorização do policial militar e a melhoria da segurança pública; que piora a cada ano. Nos 7 anos de PSB, a categoria viu o salário praticamente congelar e ser corroído pela inflação. De acordo com a Associação das Entidades Representativas dos Militares Brasileiros (Anermb), um soldado paraibano ganha apenas R$ 2.823; o segundo pior salário do Brasil.

Tabela salarial das polícia militares brasileiras

Além do salário injusto, a PM tem hoje o menor efetivo de todos os tempos e o déficit chega a 9 mil profissionais. Ou seja, um PM na Paraíba trabalha por dois, mas recebe por um, e recebe pouco.

Agora entendemos porque a Paraíba é um dos estados mais violentos do Brasil e a Grande João Pessoa bate recordes em mortes violentas.

Segurança pública se faz com PM na rua e valorização da categoria.

Simples.