A campanha de Veneziano também foi abastecida com a propina da Cruz Vermelha?

Se a campanha de João Azevedo foi financiada com o dinheiro da saúde, através da propina da Cruz Vermelha, podemos deduzir que a campanha de Veneziano também foi alimentada com dinheiro da corrupção? Se a campanha era casada entre Luiz Couto, Veneziano e João, teriam todos se beneficiado do esquema dos girassóis?

Ainda não podemos afirmar que sim. Mas justiça eleitoral precisa investigar se a propina da Cruz Vermelha beneficiou outras candidaturas além de João Azevedo, como afirmou o delator e operador do esquema.

 

 

COTA PARLAMENTAR: Senador Humberto Costa gastou R$ 56 mil nos dois primeiros meses deste ano e pagou jantar de R$ 553

Humberto Costa, líder do PT no Senado, gastou R$ 56.279,99 de cota parlamentar nos dois primeiros meses deste ano, segundo a Veja.

O Antagonista confirmou os dados no portal da transparência do Senado: R$ 21.981,69 foram usados na compra de passagens aéreas e R$ 17.604,32 em locomoção, hospedagem e alimentação.

No dia 31 de janeiro, por exemplo, o petista gastou R$ 553,90 em um restaurante japonês de Brasília.

Polítika com O Antagonista

Após 32 anos de mandatos, Cássio se despede do Senado

Hoje concluo um ciclo de 32 anos de mandatos que me foram conferidos pelo povo. O sentimento é de gratidão. A Deus, sempre em primeiro lugar, e ao povo da Paraíba, de forma especial ao de Campina Grande.

Quem tem espírito público, não precisa de mandato para servir à comunidade e às pessoas. Continuarei servindo. Comecei a fazê-lo, antes mesmo do meu primeiro mandato, na Assembleia Nacional Constituinte, sempre com dedicação, seriedade, ética e honestidade.

Guardarei para sempre a lição do meu pai, mestre, líder e amigo Ronaldo Cunha Lima, a quem devo também um agradecimento todo especial extensivo a minha família (tenho uma linda família) sempre tão solidária e presente nas minhas lutas: política se faz como sacerdócio e não como negócio. E assim a exerci.

Ajudei a milhões, milhões mesmo. Esse sempre foi o meu objetivo na política: melhorar a vidas das pessoas. Tratando-as com respeito, ouvindo-as com acuidade, sendo solidário no limite das minhas possibilidades.

Em todos os mandatos transformei vidas, me dedicando a elas com devoção sincera e respeito verdadeiro. Sigo em frente, cabeça erguida, espinha ereta e o coração tranquilo, parafraseando o poeta.

Tenho uma certeza: sou muito grato pela honra que tive de representar nosso povo por todos esses anos. E tenho uma convicção: ofereci o meu melhor nessa representação. Passará algum tempo para se compreender, de forma plena, este instante da vida nacional. A democracia é assim, o povo coloca, o povo tira. Há de se respeitar sempre a soberania popular.

Por fim, preservo sonhos, pelos quais continuarei lutando, qualquer que seja minha trincheira de luta. Oportunidades iguais para as nossas crianças, para que elas sejam donas do seu próprio destino. Zelo e respeito com os idosos. Cuidado redobrado com os que mais precisam.

Que venha um tempo novo. Muito obrigado a todos e a cada um.

Cássio Cunha Lima

Cássio recebe o título de ‘Personalidade do Setor Elétrico’

O senador Cássio Cunha Lima recebeu, nesta quarta-feira (12), da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), o título de “Personalidade do Setor Elétrico, como reconhecimento do excelente trabalho desenvolvido no Senado Federal e pela dedicação em favor do livro mercado de energia”.

Mercado livre – É de autoria de Cássio o Projeto de Lei 232/2016, que expande o mercado livre de energia elétrica, permitindo que pequenos consumidores possam fazer a portabilidade da conta de luz. A ideia é que, a longo prazo, ocorra com o setor elétrico o mesmo que aconteceu com o setor de telefonia: maior competitividade entre empresas e liberdade de escolha para o consumidor.

A matéria já foi aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Agora está na Comissão de Infraestrutura, onde tramita em decisão terminativa.

O projeto do senador altera o modelo comercial de energia elétrica no país com a intenção de, progressivamente, permitir que os pequenos consumidores possam optar em fazer parte do mercado livre, hoje restrito a grandes consumidores de energia.

Liberdade de escolha – Em sua justificativa ao projeto, Cássio afirma que a liberdade de escolha para o consumidor aumentará a concorrência entre as empresas, reduzindo o preço e melhorando a qualidade do serviço prestado.

“A liberdade de escolha aumenta a concorrência entre as empresas, o que reduz o preço e a qualidade do bem ou serviço prestado. Trata-se de algo que deve ser incentivado, em todos os setores. Não podemos retirar do consumidor esse direito, principalmente no setor de energia elétrica, que fornece um importante item para o bem-estar da população brasileira” – defende o senador.

Câmara aprova projeto de Cássio que regulariza o pagamento do Seguro – Defeso

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou na última terça-feira (27) o Projeto de Decreto Legislativo 920/18 do Senado, de autoria do senador Cássio Cunha Lima, que suspende os efeitos de Portaria que restringia a pesca de determinadas espécies de peixe em águas continentais na região hidrográfica do Atlântico Nordeste Oriental.

Autor do projeto, o senador Cássio Cunha Lima argumentou que a portaria desobrigava o governo de pagar o benefício do seguro defeso sempre que houvesse disponibilidade de alternativas de pesca nos municípios alcançados pelos períodos de defeso.

“A medida do Governo Federal impactaria espécies importantes para o equilíbrio ambiental ao permitir a pesca de algumas e não de outras. Além disso, os pescadores questionam, com razão, a viabilidade prática da seleção de espécies durante o trabalho da pesca”, afirmou Cássio

A portaria que o decreto legislativo suspende mudou regras para o período de defeso nessa bacia, que é aquele no qual os pescadores artesanais não podem exercer sua profissão para proteger a reprodução das espécies e, por isso, têm direito a receber seguro-desemprego.

Período de defeso – De acordo com a portaria, no período de defeso, entre os meses de janeiro e abril, somente a pesca de espécies nativas seria proibida, permitindo a pesca de espécies exóticas ou originárias de outras regiões.

Assessoria do senador Cássio Cunha Lima com informações do Senado Federal e Câmara dos Deputados.

CAE aprova projeto de Cássio que permite portabilidade da conta de luz

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou, nesta terça-feira (20), projeto de lei ((PLS 232/2016), do senador Cássio Cunha Lima, que expande o mercado livre de energia elétrica, permitindo que pequenos consumidores possam fazer a portabilidade da conta de luz. A ideia é que, a longo prazo, ocorra com o setor elétrico o mesmo que aconteceu com o setor de telefonia: maior competitividade entre empresas e liberdade de escolha para o consumidor.

O projeto de Cássio altera o modelo comercial de energia elétrica no país com a intenção de, progressivamente, permitir que os pequenos consumidores possam optar em fazer parte do mercado livre, hoje restrito a grandes consumidores de energia.

No caso dos consumidores residenciais, por exemplo, a relação com as distribuidoras será mantida apenas para o serviço de distribuição, e a liberdade para a compra se dará no caso da comercialização de energia com a geradora.

Liberdade de escolha – Em sua justificativa ao projeto, Cássio afirmou que a liberdade de escolha para o consumidor aumentará a concorrência entre as empresas, reduzindo o preço e melhorando a qualidade do serviço prestado.

“A liberdade de escolha aumenta a concorrência entre as empresas, o que reduz o preço e a qualidade do bem ou serviço prestado. Trata-se de algo que deve ser incentivado, em todos os setores. Não podemos retirar do consumidor esse direito, principalmente no setor de energia elétrica, que fornece um importante item para o bem-estar da população brasileira” – defende o senador.

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que foi o relator do projeto de Cássio na CAE, aprovado na forma de substitutivo, disse que “o mérito do projeto é inquestionável, pois dá liberdade de escolha ao consumidor e promove a eficiência da economia”.

Agora, a matéria segue para a análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e, em seguida, para a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), onde será votada em decisão terminativa.

Candidato ao Senado há apenas duas semanas, Luiz Couto surpreende e aparece com 16% na pesquisa Consult

Pesquisa divulgada na noite desta terça-feira (14) revela que, se as eleições fossem hoje, os dois candidatos a senador pela Paraíba mais votam seriam Cássio Cunha (PSDB) e Veneziano Vital do Rêgo. O petista Luiz Couto aparece logo em seguida.

De acordo com os números coletados pelo Instituto Consult, o tucano Cássio Cunha Lima aparece com 25,95% das intenções de votos, seguindo de Veneziano Vital do Rêgo (PSB), com 21,60%, e Luiz Couto (PT), com 16,85%.

Ainda conforme os números da Consult, Daniella Ribeiro (PP) tem 13,50% e Roberto Paulino (MDB) teria 5,80%. Nelson Junior (PSOL) recebeu 1,50% das intenções de voto e Nivaldo Mangueira (PSOL), 1,05%.

Neste ano, eleitor poderá votar em dois candidatos ao Senado Federal.

Dados da pesquisa

Realizada entre os dias 8 e 12 deste mês, a pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número PB 03853/2018. Foram realizadas 2 mil entrevistas em sete regiões do Estado. Os resultados estão sujeitos a um erro máximo permissível de 2.0%, com confiabilidade de 95%.

O Instituto Consult abordou o eleitor sob as candidaturas de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual e, ainda, avaliação do governo Ricardo Coutinho (PSB).

Veja gráfico abaixo

Consult: Veneziano e Luiz Couto se aproximam de Cássio na disputa ao Senado

 

Luiz Couto, o pesadelo de Veneziano

A possível candidatura de Luiz Couto ao Senado tem tirado o sono de Veneziano Vital. A vaga que até então era dada como certa para Vené, agora pode ganhar um concorrente de peso dentro da chapa ricardista. Sem o carimbo de golpista na testa e sempre votando contra a agenda antipovo de Temer, Luiz Couto é unanimidade no campo progressista e conta com a força do Lulismo para pisar no tapete azul.

O sentimento pós-golpe e a intenção de voto de Lula ajudam a candidatura de Luiz Couto e prejudicam Veneziano, principalmente na Grande João Pessoa e nas pequenas cidades, onde o lulismo impera. Em Campina Grande a situação já não é boa para o ex-cabeludo, pois a candidatura de Daniella Ribeiro vai dividir ainda mais o eleitorado. E a tendência natural é que ela se consolide como a opção de segundo voto ao lado de Cássio.

Sem Daniella na disputa, o bairrismo prevaleceria e o eleitor médio votaria em Cássio e Veneziano, sem problemas.

Alguns assessores de Veneziano tentam esconder o receio com a candidatura de Couto e dizem que o petista ameaçaria a reeleição de Cássio. Não faz sentido, pois Luiz Couto não tira voto da direita e o perfil dos eleitores são distintos.

E a questão principal, Ricardo Coutinho vai priorizar a candidatura de Veneziano ou Luiz Couto? O vídeo a seguir dá a resposta:

Como diria Magalhães Pinto, política é como nuvem, você olha e ela está de um jeito; olha de novo e ela já mudou.

No caso de Veneziano, as nuvens estão carregadas…

A coragem de Raimundo Lira e os 2 mil fantasmas do Governo Maranhão III

Toda a Paraíba sabe que o senador José Maranhão sempre gostou de umas “facilidades” para os familiares. Aliás, Maranhão pode ser acusado de tudo, menos de deixar a família na mão. Em todas oportunidades que teve, Zé Maranhão sempre indicou parentes para ocupar cargos públicos.

Maranhão representa a velha política e a usa para se locupletar. Maranhão é a representação da elite econômica brasileira, que mesmo sendo podre de rica, sempre quer mais e adora uns “mimos” do Estado. Qual a necessidade de um dos maiores criadores de gado do Brasil exigir um cargo comissionado de R$ 14 mil para a filha no Senado? É para isso que o senador faz política?

É preciso ressaltar a coragem do senador Raimundo Lira, que num programa de rádio revelou a ganância de um político que quer governar a Paraíba pela quarta vez, mesmo sem até o presente momento apresentar uma só proposta.

Raimundo Lira merece nossos aplausos. Ele conseguiu, numa só denúncia, revelar para a sociedade o sentido da política para Maranhão; obtenção de privilégios para os seus.

Mas a relação do senador com os fantasmas é antiga. Em 2011, Maranhão foi acusado de nomear 2 mil servidores fantasmas no governo do estado:

 

Luiz Couto senador; por que não?

Considerado o deputado federal mais qualificado e atuante da última década, Luiz Couto hoje é a esperança do eleitor progressista que não quer votar em Cássio Cunha Lima, Veneziano ou Raimundo Lyra para o Senado. Para o eleitor de Lula, todos eles são golpistas e responsáveis pela ascensão do presidente mais corrupto da história.

Mas este eleitor está à deriva, órfão de candidato.

Equivocadamente o PT nunca tentou eleger um senador através do prestígio de Lula e da avaliação positiva do governo federal na era Lula-Dilma. Era o PMDB que espertamente usava o lulismo para se dar bem, seja com Vitalzinho, Maranhão, Roberto Paulino ou Wilson Santiago.

Mesmo sem lançar a pré-candidatura ao Senado, Luiz Couto já pontua bem nas pesquisas internas. Inclusive à frente de quem já tem mandato e muitos dólares pra gastar. E proporcionalmente – e circunstancialmente –  melhor que muito profissional da política com tradição familiar, mas pouco conteúdo.

O sentimento pós-golpe favorece uma candidatura realmente lulista. Lula detém mais de 60% das intenções de votos na Paraíba, e não seria uma utopia eleger para o Senado Federal um político da qualidade de Luiz Couto.

A estratosférica rejeição ao governo Temer é outro ponto positivo para o padre, pois na lógica do eleitor médio e simpático ao PT, todo político que ajudou a derrubar Dilma é co-autor desse governo sustentado por um Congresso de picaretas e um judiciário vendido.

De todos os candidatos ao Senado, Couto é o único que não votou a favor das reformas de Temer e foi contra o impeachment da Dilma. Portanto, seria ele o único na disputa com propriedade para acusar o golpe e associar todos os demais a Temer. Além disso, Luiz Couto tem um passado limpo e os adversários não teriam o que criticar, a não ser que inventassem.

A popularidade também é boa. O tempo de TV é generoso. E aliado ao prestígio, à estrutura financeira e a militância do governador Ricardo Coutinho, Luiz Couto passa a reunir todos os elementos para surpreender e virar o primeiro senador petista da Paraíba.

O momento é oportuno, duas vagas estão em disputa e o povo quer votar em gente decente pra combater a corrupção. E tudo indica que a maior crise política da história do Brasil vai resultar na maior taxa de renovação do Congresso, desde a redemocratização.