PESQUISA DATAVOX: Gestão de Berg Lima é reprovada por 77% da população de Bayeux

O prefeito ex-presidiário de Bayeux, preso em flagrante ao extorquir um empresário em julho de 2017, possui a maior rejeição dos últimos 10 anos na cidade. De acordo com os números da pesquisa Datavox, 77,1% dos eleitores desaprovam a administração que ficou marcada por escândalos de corrupção.

Apenas 18,4% dos entrevistados responderam que aprovam a gestão de Berg e 4,5% não souberam opinar:

Berg Lima também bate o record de rejeição quando o entrevistado é questionado a avaliar a gestão de maneira mais detalhada. 41,6% consideram a administração PÉSSIMA e 26,6% RUIM. Na soma de péssimo e ruim, Berg alcança o impressionante percentual de 68,2%:

A Datavox realizou 402 entrevistas no dia 30 de abril. A margem de erro é de 4,9% e o intervalo de confiança é de 95%.

Berg Lima se mantém no cargo de prefeito graças a uma liminar, mas nas próximas semanas pode ser afastando novamente.

“População de Bayeux sofre sem atendimento odontológico enquanto a prefeitura virou puxadinho do prefeito e dos vereadores que o livraram da cassação”, critica Albeno Silva

Em postagem nas redes sociais, a liderança jovem de Bayeux, Albeno silva, criticou a precariedade na saúde pública do município, mais precisamente o atendimento odontológico:

“VERGONHA ! População de Bayeux sofre sem atendimento odontológico enquanto a prefeitura virou puxadinho do prefeito e dos vereadores que o livraram da cassação. De acordo com denúncias, os dentistas da cidade de Bayeux receberam no último mês R$ 914, quando a lei determina o mínimo de três vezes o salário mínimo, além do soldo inferior e da falta de respeito os materiais para atendimento não existem”.

A imagem pode conter: texto

Em paralelo ao caos que Bayeux vive, Albeno afirma que “enquanto isso a cada dia o prefeito e vereadores que apoiam a corrupção empregam familiares, vai de esposa a primo com salários bastante altos”.

Albeno Silva também critica o estelionato eleitoral cometido por Berg Lima na campanha de 2016:

“Essa Prática era condenada pelo prefeito no passado por achar ele que o patrimonialismo (uso do público como privado) era uma das piores chagas da nossa cidade, uma vez que não só os políticos enriqueciam como também seus familiares, e quem paga a conta é a população mais pobre que precisa de serviços. E para piorar, o prefeito ainda desfila na cidade pregando Deus e motivação. O grande Pai não gosta de mentira, conchavo e corrupção gestor, pague o que os dentistas merecem e forneça materiais, caso contrário a dor de dente do povo só aumentará”.

 

EX-PRESIDIÁRIO: Berg Lima pode ser afastado da prefeitura de Bayeux a qualquer momento

A suspensão da liminar que mantém no cargo o prefeito ex-presidiário de Bayeux pode ser julgada a qualquer momento no STJ. O processo está concluso para julgamento desde o dia 28 de fevereiro.

A permanência de um gestor preso em flagrante ao cobrar propina de um fornecedor fere de morte o princípio constitucional da moralidade administrativa.

O ex-presidiário não tem moral nem para ser síndico de condomínio, pois quando desempenhou a função de síndico, antes de se tornar político, também foi acusado de desvios.

Vereador Jeferson Kita, do PSB, livra Berg Lima da cassação pela terceira vez e já pode pedir música no Fantástico

O que faz um vereador livrar um prefeito corrupto da cassação por três vezes, mesmo sendo de um partido de oposição ao prefeito ex-presidiário Berg Lima? Seria a relação estreita do vereador Jeferson Kita com Berg? Os cargos que o vereador tem na gestão? Ou o prefeito ex-presidiário sabe de coisa que a gente não sabe?

A verdade é que Jeferson Kita salvou a pele de Berg Lima por três vezes. Na última agora, seu voto de minerva enterrou mais um pedido de cassação que estava empatado. O vereador deve achar normal manter um prefeito corrupto, preso em flagrante e condenado, gerindo milhões de reais por mês.

À população de Bayeux só resta uma saída; derrotar este parlamentar nocivo, que não tem vergonha nem o mínimo de pudor em trabalhar contra os interesses da população e a favor de um corrupto preso em flagrante.

E não só ele, mas os demais que votaram a favor de Berg Lima: Lico, Rubem, Dedeta, Netinho, Zé Baixinho, Adriano do Táxi, França e Guedes.

PRESO POR CORRUPÇÃO: Walber Virgolino é criticado nas redes sociais por manter agenda política com Berg Lima

Não está repercutindo bem a foto do deputado estadual Walber Virgolino com o prefeito ex-presidiário de Bayeux, Berg Lima. E não podia ser diferente. O parlamentar e delegado tem uma imagem séria, de combate à corrupção. Bem diferente de Berg Lima, preso em flagrante ao receber propina de um empresário da cidade.

Nas redes sociais, seguidores de Virgolino não entenderam a foto e questionaram o deputado. Tudo bem que por obra da (in)justiça Berg ainda é o prefeito de Bayeux, mesmo ferindo o princípio constitucional da moralidade administrativa. Mas manter agenda política com um prefeito preso em flagrante não combina com a postura “linha dura” de Walber Virgolino e o discurso adotado na campanha eleitoral.

  

Mais sujo que pau de galinheiro, Berg Lima resolveu tirar uma casquinha e mandou a foto para portais que divulgaram matérias mostrando que o prefeito de Bayeux (pasmem!) recupera o prestígio e a confiança da classe política.

 

Walber Virgolino tem agenda com prefeito preso em flagrante por corrupção

Eleito com o discurso da moralidade, segurança e combate à corrupção, o que danado o deputado estadual Walber Virgolino tem a tratar com o prefeito ex-presidiário de Bayeux? Será que o deputado foi tratar sobre a situação carcerária, já que Berg Lima passou quase 6 meses preso ao ser flagrado recebendo propina de um empresário?

A postura política adotada pelo deputado não converge com as práticas criminosas de um prefeito que foi preso no primeiro semestre de gestão.

Há alguns dias compararam Walber a Toinho do Sopão.

Discordo totalmente, pois Walber é um delegado renomado, tem conhecimento, história e plataformas relevantes. Mas deu um verdadeiro tiro no pé ao associar sua imagem a um prefeito condenado por corrupção, que atrasa salários, emprega fantasmas, incha a folha de pessoal com parentes e deixa o lixo tomar conta da cidade.

Um passo em falso, digno de Toinho.

Se quiser manter a coerência no discurso, Walber precisa escolher melhor as suas companhias. Porque não dá pra criticar os escândalos do governo RC enquanto posa pra foto com prefeito preso em flagrante por corrupção.

Parece que bandido bom já não é mais bandido morto…

 

 

 

 

 

Prefeito ex-presidiário de Bayeux ganha marchinha de Carnaval: “Eureka, eureka, descobriram minha propina escondida na cueca…”

O prefeito Berg Lima, que passou quase 6 meses preso, ao ser pego em flagrante recebendo propina de um empresário, acaba de ganhar uma marchinha de Carnaval. Já que a Justiça mantém a raposa cuidando do galinheiro, a população protesta de uma forma lúdica:

Eureka, eureka
Descobriram minha propina
escondida na cueca…

Eureka, eureka
encontraram minha propina
escondida na cueca…

Minha propina tava guardada
foi o Paulino que me deu
de madrugada

Eureka, eureka
pegaram minha propina
enfiada na cueca…

Minha propina tava guardada
Mas o Gaeco descobriu a marmelada

Eureka, eureka
me prenderam com propina
enfiada na cueca

VÍDEO: Caminhão da prefeitura de Bayeux é utilizado para fazer mudança do prefeito ex-presidiário Berg Lima

O vereador Adriano Martins denunciou o desvio de um caminhão que é destinado a entregar merendas, no município de Bayeux, sendo usado para carregar móveis e fazer uma mudança na residência da mãe  do prefeito de Bayeux, Berg Lima, neste domingo (17). Assista ao vídeo acima.

Ao se aproximar, os homens encarregados da mudança tentaram fechar as portas do caminhão, mas o vereador exigiu que fosse aberto para mostrar os móveis.

Em seguida, os encarregados afirmaram que se tratava de uma ação social destinada a crianças carentes, ao que o vereador retrucou que “isso é a desculpa que acharam”.

“E aí, Ministério Público, e aí? E agora? Qual é a providência?”, provoca o vereador.

No vídeo, é possível confirmar a placa e notar a marca de adesivo removido na porta do veículo.

“Eles acham que o povo de Bayeux é imbecil mesmo”, criticou o vereador.

ClickPB

ATENÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO: Prefeito ex-presidiário de Bayeux faz contrato sem licitação no valor de quase R$ 2 milhões para o lixo

O Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público precisam agir imediatamente e investigar o contrato “emergencial” sem licitação realizado pelo prefeito ex-presidiário Berg Lima. Se o prefeito manter seu modus operandi e cobrar uma propina de 20%, como fez quando foi preso em flagrante com dinheiro na cueca, Berg estará metendo a mão em quase R$ 400 mil.

Nos bastidores comenta-se que Berg Lima deixou o lixo tomar conta de Bayeux para ter um álibi que justificasse a contratação emergencial sem licitação.

“Berg transformou Bayeux num grande lixão à céu aberto. Além do lixo comum, seus atos são um lixo de imoralidade e ilegalidade com o povo de nossa querida Bayeux. Haveremos de nos libertar desse pesadelo!”, disse o empresário Léo Micena.

A permanência de Berg Lima na prefeitura fere o princípio constitucional da moralidade na administração pública. É uma dessas aberrações jurídicas que só acontecem nas cidades pequenas do Brasil.

Até quando a raposa vai continuar cuidando do galinheiro?

Com a palavra o Tribunal de Justiça da Paraíba.

Ex-prefeito interino de Bayeux diz que “abasteceu” vereadores e entregou Saúde e Educação de “porteira fechada” para Ricardo Coutinho

O vereador Mauri Batista, o Noquinha (PSL), teve um ataque de sinceridade durante discurso na Câmara de Bayeux. O pronunciamento foi proferido no dia 3 de janeiro, na tribuna da Casa, mas só agora veio à tona. Revoltado com as críticas dos pares, referentes ao período em que ele comandou a prefeitura, soltou o verbo contra os colegas. Entre outras coisas, confessou que distribuiu largamente cargos para familiares de vereadores aliados. Fez o mesmo com o governador ex-Ricardo Coutinho (PSB). A estratégia era conseguir os apoios necessários para cassar o mandato do vice-prefeito Luiz Antônio (PSDB).

O ex-vice-prefeito foi afastado do cargo por decisão da Justiça no dia 21 de março do ano passado. A decisão foi do desembargador Arnóbio Alves Teodósio. Pesa contra ele acusações de tentativa de extorsão de um empresário. O vice ocupava o cargo de prefeito desde o afastamento do prefeito Berg Lima (sem partido) em julho de 2017, que voltou ao cargo no fim do ano passado. Do afastamento à cassação do mandato, passaram-se menos de duas semanas. Por maioria qualificada, o tucano teve o mandato cassado no dia 4 de abril. O fato abriu caminho para Noquinha prolongar a interinidade dele.

O caso voltou à pauta das discussões nesta semana. Na última segunda-feira (4), houve uma audiência na 43ª vara, em Bayeux. Luiz Antônio entrou com ação na qual pede a restituição do cargo. Alega manobra política e compra de votos. Durante depoimento, Noquinha confirmou tudo o que havia dito antes em relação à distribuição de cargos para familiares de vereadores. As benesses, ele reforça, fizeram com que até os problemas mais graves que ocorreram na cidade, inclusive o do lixo, fossem ignorados pelos colegas. As críticas vieram depois que ele deixou o cargo.

Cargos indicados por Ricardo

Noquinha também confessou que foi ao ex-governador Ricardo Coutinho em busca de apoio. Queria do socialista a fidelidade do PSB na cidade. A reunião contou com a participação, também, do secretário de Planejamento e Gestão, Waldson de Souza. O apoio foi franqueado, mas a contrapartida foi a entrega das pastas de Saúde e Educação. Foi cobrada autonomia para todas as decisões. Para a Saúde, o indicado foi o médico Edvan Benevides. Para quem não lembra, ele comandou o Hospital de Trauma entre 2011 e 2016. Este período é justamente o que a instituição passou a ser administrada pela Cruz Vermelha Brasileira.

A organização social, atualmente, está implicada em várias denúncias. Toda a cúpula da instituição está presa em meio a denúncias de superfaturamento e, inclusive, de doações para campanhas eleitorais. Os ministérios públicos da Paraíba e o do Rio de Janeiro apontam doações de campanha para Ricardo Coutinho e João Azevêdo. “Eu errei quando entreguei as secretarias sem que eu tivesse autonomia sobre elas. Não faria isso de novo”, alegou Noquinha.

O secretário Waldson de Souza foi convocado para uma audiência no dia 14 de março, quando deverá responder às acusações.

Blog do Suetoni